Textos


      POLÍTICO JÁ MENTIU TANTO 
    QUE O BOM MATUTO APRENDEU



                   O achado deste mote está envolvido no gracejo, pois em cada verso há de forma subjetiva o que na realidade acontece nas campanhas do interior. O primeiro verso do mote pede uma rapidez maior em seu pronunciamento, isto porque se inicia com palavra proparoxítona, consoante se fez menção quando se falou de metrificação em texto isolado. 


Para ganhar eleição
a nível municipal
político em zona rural
fez muita reunião;
energia e cacimbão,
isso tudo prometeu,
mas depois que se elegeu
não foi mais naquele canto
- Político já mentiu tanto
que o bom matuto aprendeu.

Aumento dos professores
é o que promete mais,
através do rádio faz
promessa aos trabalhadores;
e diz que aos agricultores
muito já favoreceu,
o palavreado seu
só tem mentira e espanto
- Político já mentiu tanto
que o bom matuto aprendeu.

Diz ele: ganhando, eu mudo
o sistema social;
promete escola, hospital,
emprego e bolsa de estudo;
quando ganha esquece tudo
aquilo que prometeu,
quem o voto a ele deu
soluça de raiva e pranto
- Político já mentiu tanto
que o bom matuto aprendeu.

Mas o matuto de agora
com ninguém se compromete;
se pedem votos, promete;
se dão um número, decora.
Mas quando é chegada a hora
tudo o que disse, esqueceu,
e o voto que ele exerceu
foi verdadeiro quebranto
- Político já mentiu tanto
que o bom matuto aprendeu.

Matuto já vai à praça,
dá ao político atenção,
vai à sua habitação
palestra e bebe cachaça,
ainda almoça de graça
diz sorrindo: o voto é seu,
para comprar um pneu
pede ainda não sei quanto
- Político já mentiu tanto
que o bom matuto aprendeu.

Matuto pede ao Prefeito
remédio, roupa e sapatos,
vai aos outros candidatos,
procede do mesmo jeito;
chegando o dia do pleito
esquece o que recebeu,
afinal nada valeu,
tudo é farsa por enquanto
- Político já mentiu tanto
que o bom matuto aprendeu.


Pedro Ernesto Filho
Enviado por Pedro Ernesto Filho em 22/07/2008
Alterado em 21/02/2010

Música: Quem vem atrás feche a porta - Grupo de além



Comentários